Confira um passo a passo sobre apoiar e ensinar os alunos a trabalhar em grupo

Por Cheyanne Freitas, do site Edutopia

Hoje, os alunos da aula de matemática estão fazendo um teste em grupo. Enquanto eles trabalham juntos, eu os ouço dizer coisas como “Acho que precisamos combinar termos semelhantes” e “Você multiplicou para obter 3 vezes ao quadrado?”. Respeitosamente, eles também corrigem um ao outro: “Acho que deveria ser negativo, pois é negativo vezes positivo”.

O que distingue hoje de ontem? Esta é a primeira vez que uso a estratégia de devolutivas em grupo com esses alunos e, em questão de minutos, fez muita diferença.

A aprendizagem colaborativa permite que os alunos resolvam problemas, construam explicações, comentem o raciocínio de outros colegas e se envolvam em um rico discurso acadêmico. Mas, como professores, todos sabemos como é difícil fazer com que os estudantes se comuniquem e colaborem uns com os outros. A estratégia de devolutiva para o grupo pode ajudar os alunos a aprender comportamentos eficazes em nível coletivo e entender as interações que o professor espera. Além disso, promove a participação, a colaboração e a equidade entre os estudantes.

Os professores fazem anotações enquanto os alunos trabalham juntos. Essa estratégia funciona para avaliações, laboratórios, círculos de literatura e grupos de estudo. Você pode usá-la para tarefas grandes ou pequenas e lembrar os estudantes sobre essas expectativas sempre que trabalharem em grupos. Aqui estão algumas ideias para usar em sua sala de aula:

Pré-planejamento

Antes de iniciar uma tarefa, certifique-se de que os alunos entendam suas expectativas. Ofereça a eles uma lista de orientações esperadas com antecedência. Você pode querer que os alunos:

1) Perguntem e respondam perguntas esclarecedoras;

2) Compartilhem ideias com os membros da equipe;

3) Justifiquem o raciocínio;

4) Critiquem e questionem o raciocínio por meio das perspectivas dos integrantes do grupo.

Durante os testes de equipe, por exemplo, quero ver os alunos explicando ideias e estratégias uns aos outros, apoiando-se e olhando o trabalho dos colegas, fazendo perguntas, discordando respeitosamente da equipe e focados nos mesmos problemas ao mesmo tempo, para que vários sugestões e estratégias podem ser compartilhadas e debatidas. Não quero ver alunos trabalhando em problemas individualmente, copiando respostas de outros sem entender o trabalho – ou tendo longas conversas fora da tarefa.

Implementação

Durante a implementação, exiba a devolutiva para orientar os alunos. Dessa forma, os estudantes entendem as implicações de suas ações e palavras enquanto trabalham.

A devolutiva pode assumir muitas formas. Projetada em uma tela, apresentada em um slide ou algum documento online colaborativo, ou até mesmo ser escrita em pôsteres pela sala são apenas algumas sugestões. Use códigos de cores, sinais de mais ou menos e uma nota dinâmica para ajudar os alunos a distinguir entre devolutivas positivas e negativas. Considere o trabalho do grupo e seus debates.

Destaque as interações positivas que você testemunha e explique por que elas são positivas, bem como quem estava envolvido. Reconheça os alunos por suas contribuições, como esclarecer dúvidas ou fornecer uma pequena ideia que estimule uma conversa mais aprofundada. Eu reconheci publicamente quando um estudante mais quieto mencionou uma “caixa” que ajudou seus colegas de equipe a se lembrarem de uma certa ferramenta. Ele comunicou a todo o grupo que seu comentário foi valioso e valorizou a posição do aluno dentro do grupo e na sala de aula.

Mantenha as observações negativas anotadas, mas destaque e reforce as ações positivas. Gosto de incluir comentários neutros para coisas aleatórias que ouço ou percebo; é uma maneira divertida de se conectar com os alunos e, ao mesmo tempo, deixá-los saber que você está prestando atenção.

Incentive os estudantes a ler os comentários que você fornece aos seus próprios grupos e a outros grupos para obter mais ideias sobre como interagir positivamente. Mantenha uma lista de frases ou comentários de amostra à mão se você se preocupar em ficar sem comentários.

Classificação

Compartilhe seus comentários com toda a turma. Dê-lhes tempo para ler os comentários de cada grupo. Eu também recomendo realizar um debate de perguntas que possam avaliar uma situação em classe nas primeiras vezes em que você usar essa estratégia para acostumar os alunos. Durante essa discussão de 5 minutos, geralmente destaco um ponto positivo da equipe ou peço aos alunos que compartilhem um que tentarão na próxima vez.

Alguns professores preferem dar notas, enquanto outros preferem oferecer devolutivas. Acho importante que os professores responsabilizem os alunos por sua colaboração, e tive mais sucesso quando essa devolutiva do grupo é avaliada. Uma ideia é pesar a pontuação de colaboração da tarefa em grupo igualmente com o trabalho acadêmico concluído.

Cada vez que dou aos alunos um teste em grupo, avalio sua colaboração e peso como 40% a 50% da nota do teste em grupo. Isso inspira geralmente quem trabalha sozinho e quem não quer decepcionar seus colegas de equipe.

Você também pode tornar essa nota dinâmica para que os alunos demonstrem colaboração positiva para receber o crédito total, mas também podem perder pontos por comportamentos negativos.

Por exemplo, comece todos os grupos com uma escala de 6 em 10 que aumenta um ponto para comentários positivos e diminui um ponto para comentários negativos. Independentemente de uma nota ser atribuída ou não, fornecer devolutivas e comunicar comportamentos colaborativos positivos sempre deve ser prioridade.

Recomendo implementar esta estratégia de forma semi-regular. Mesmo com um intervalo de alguns meses, isso terá impacto de longo prazo na forma como os alunos colaboram em sua sala de aula.

* Publicado originalmente em Edutopia e traduzido mediante autorização
© Edutopia.org; George Lucas Educational Foundation

Fonte: https://porvir.org/uer-apoiar-e-ensinar-os-alunos-a-trabalhar-em-grupo-confira-esse-passo-a-passo/

* Os textos, vídeos e áudios publicados são de inteira responsabilidade dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião da Cesu. *