Conheça a plataforma gratuita de apoio ao desenvolvimento socioemocional de professores

Após anos de estudos e pesquisas acerca das competências socioemocionais dos estudantes e o desenvolvimento de uma matriz e instrumentos específicos de monitoramento para esse público alvo, o Instituto Ayrton Senna voltou seu olhar para o socioemocional dos educadores brasileiros e para a necessidade de ver esses profissionais sob a mesma ótica integral que se aplica aos estudantes, mas desta vez com uma matriz específica ao fazer docente, que possa oferecer apoio em seu percurso de desenvolvimento profissional com base em evidências.

O que são competências socioemocionais?

O objetivo é estar ao lado de professores que querem se conectar com o contexto da educação do século 21 por meio de experiências de desenvolvimento inovadoras que o apoiem a atingir seu potencial de forma integral. Afinal, assim como o estudante precisa ser fortalecido em todas as suas dimensões para aprender, viver, conviver e atuar no mundo contemporâneo, também os educadores devem receber o mesmo olhar.

O foco dessa jornada é nas competências mais relevantes para a atuação de professores, articulando características técnicas e socioemocionais que se fazem presentes no cotidiano da sala de aula. Os demais profissionais de educação também podem se beneficiar das experiências da jornada, seja porque podem ser multiplicadores dessa perspectiva em suas unidades escolares ou redes de ensino, seja porque seguem desempenhando papeis com características próximas às de um docente.

Conta com as funcionalidades:

  • Instrumento autoavaliativo de competências de professores
  • Relatório personalizado e individual
  • Orientações para o plano de desenvolvimento pessoal (PDP)
  • Trilhas formativas em cada macrocompetência para a profissão docente
  • Diário de bordo para registrar suas experiências
Fonte: https://humane.institutoayrtonsenna.org.br/educationalSolutionsDetail

* Os textos, vídeos e áudios publicados são de inteira responsabilidade dos autores e não refletem, necessariamente, a opinião da Cesu. *